Em Brasília, primeira-dama do Amazonas, Edilene Gomes, participa de reunião do programa Criança Feliz

 

Amazonas foi um dos primeiros estados a aderir ao Criança Feliz que tem as mesmas diretrizes de programas já desenvolvidos no Estado

A convite da primeira dama da República, Marcela Temer, a primeira-dama do Amazonas, Edilene Gomes de Oliveira, participou, nesta quinta-feira (9), no Palácio da Alvorada, em Brasília, da Reunião de apresentação e mobilização de ações regionais do Programa Criança Feliz. Lançado em outubro do ano passado, pelo presidente Michel Temer, o programa tem como objetivo fortalecer as políticas públicas voltadas para a primeira infância com a finalidade de promover o desenvolvimento integral de crianças até os 6 anos de idade.

O Amazonas foi um dos primeiros Estados a aderir ao programa federal, cujas diretrizes são semelhantes à iniciativas já realizadas pelo Governo do Estado. Ano passado o governador José Melo lançou o Primeira Infância Amazonense (PIA), que visa a promoção do desenvolvimento integral da criança, com acompanhamento desde a gestação da mãe até os seis anos de idade.

O programa estadual tem como base o Primeira Infância Ribeirinha (PIR), cujo piloto foi lançado em 2012 pela Fundação Amazonas Sustentável (FAS) e a Secretaria Estadual de Saúde (Susam), em parceria com o Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (Idis). O PIR tem foco no acompanhamento da saúde e no desenvolvimento integral de crianças de Reservas de Desenvolvimento Sustentáveis de até 6 anos de idade.

 

“Foi uma reunião muito promissora, porque pude conversar com a primeira-dama Marcela e falar sobre as experiências do Governo do Amazonas em relação à primeira infância, mostrando que já temos políticas públicas neste sentido e também nossos avanços. Portanto, vamos aprimorar o que já temos e acrescentar aquilo que tiver a mais no programa federal”, disse a primeira-dama do Amazonas, ao ressaltar que o programa com as comunidades ribeirinhas despertou interesse de Marcela Temer. “O Amazonas já tem feito o dever de casa em relação às políticas públicas para a primeira infância. E agora nos cabe o dever de ampliar”, completou.

A implantação do Criança Feliz depende da adesão dos Estados e Municípios e a aprovação nos respectivos conselhos de Assistência Social. No Amazonas, até o momento, 24 municípios aderiram ao programa federal, sendo que os outros 38 que ainda não aderiram, incluindo Manaus, tem até o dia 10 de fevereiro para entregar o Termo de Aceite. Para aderir ao programa, o município precisa ter CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) com equipe em funcionamento.

A secretária de Estado de Assistência Social, Regina Fernandes, que acompanhou a primeira-dama na reunião, disse que o papel do Estado no programa é de apoio técnico. Segundo ela, quatro técnicos da Secretaria Estadual de Assistência Social (Seas) vão passar por capacitação, assim como os dos outros Estados e do Distrito Federal. Depois, eles vão capacitar os técnicos dos municípios. A capacitação será de 13 a 24 de fevereiro, em Porto Velho.

Participaram da reunião as primeiras-damas e representantes de Estados e capitais de todas as regiões, além de representantes do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA), que coordena o programa, e de instituições da sociedade civil voltadas aos cuidados da primeira infância. Entre os palestrantes estavam o ministro do MDS, Osmar Terra, além de Ricardo Paes de Barros, do Instituto Ayrton Senna; Nick Fabiancink, coordenador residente da Organização das Nações Unidas (ONU); Lucia Braga, presidente da Rede Sarah e Eduardo Queiroz, da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal.

O Programa Federal
O Criança Feliz prioriza gestantes e crianças de até 3 anos beneficiárias do Bolsa Família e as de até 6 anos que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC). As famílias serão acompanhadas por equipe capacitada, que farão visitas domiciliares periódicas, nas quais as famílias recebem acompanhamento e orientação sobre questões ligadas à saúde, desde o pré-natal, incluindo amamentação, nutrição infantil, acompanhamento de vacinas, com foco na redução da desnutrição e no combate à mortalidade infantil, bem como no desenvolvimento pleno dos assistidos.

Além disso, o Criança Feliz integrará ações coordenadas em várias áreas, como, assistência social, educação, justiça e cultura. O objetivo é formar uma rede integrada com os órgãos destas esferas. Nos municípios, os visitadores domiciliares irão atender diretamente as famílias selecionadas para o programa, adotando uma metodologia própria. Conforme o tamanho do município serão designados ainda supervisores que irão orientar os visitadores, coordenar os protocolos e articular as visitas com a rede integrada, como saúde, justiça e educação.

Primeira Infância Amazonense – Em março de 2016, por meio da Lei 4.312, o Governo do Amazonas instituiu o Programa Primeira Infância Amazonense, como parte integrante da política estadual de promoção e desenvolvimento da primeira infância sob a coordenação da Secretaria Estadual de Saúde (Susam), em conjunto com a Seas e a Secretaria Estadual de Educação (Seduc).

Entre as principais ações do PIA estão: apoiar as estratégias para garantir a universalização da educação infantil; fomentar e estimular a oferta de ações e serviços para famílias com crianças de até seis anos de idade em situação de vulnerabilidade social; apoiar políticas públicas que promovam ações integradas para a saúde da gestante e da criança até os seis anos de idade, em todos os níveis de atenção, desde a saúde básica, pré-natal, parto e puerpério e acompanhamento do desenvolvimento da criança, bem como os serviços especializados; promover estratégias para redução dos índices de desnutrição; apoiar as ações que incentivam o parto natural, entre outras.

Primeira Infância Ribeirinha – Desde 2012, a FAS desenvolve o Projeto Primeira Infância Ribeirinha (PIR), em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde do Amazonas (Susam) e Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (Idis), com recursos da Johnson & Johnson e da Fundação Bernard Van Leer. A iniciativa busca subsidiar o desenvolvimento de políticas públicas inclusivas para o desenvolvimento da primeira infância das crianças nas comunidades ribeirinhas no Estado do Amazonas.

Iniciado na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Negro, o PIR formou 16 agentes de saúde que beneficiaram cerca de 180 famílias ribeirinhas da reserva. Em 2016, o projeto começou sua implementação em mais quatro RDS: Uatumã, Amanã, Mamirauá e Floresta Estadual de Maués. No último semestre de 2016 foram formados cerca de 93 agentes comunitários de saúde, que passarão a acompanhar de perto vários aspectos do desenvolvimento das crianças, desde a gestação até os seis anos de idade. No total, mais de 687 famílias destas Unidades de Conservação (UC) passarão a ser acompanhadas pelo projeto.

Alessandra Mourão
Secretaria de Estado de Comunicação Social
(92) 3303 8368 (92) 98214-1582 (92) 99803-6211

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *